O Comando Nacional dos Bancários realizou, nesta quinta-feira, 30, uma oficina sobre a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento socioeconômico do país.

A presidenta da Fetrafi-MG, Magaly Fagundes, membro do Comando, participou dos debates.

A reflexão foi motivada pelo economista e professor Luiz Gonzaga Belluzzo. Para ele, o país corre grande risco de, com base em uma ideologia do século 19, desestruturar toda a arquitetura da economia e do patrimônio público.

“As pessoas ouvem os comentaristas da Globo News e passam a acreditar que todo o investimento público deve ser cortado e toda empresa pública deve ser privatizada. Precisamos parar de demonizar as coisas. Sem o investimento público, o país não sai da recessão”, ponderou Belluzzo, lembrando que, para sair da crise de 2008, os Estados Unidos investiram US$ 4 trilhões de recursos públicos em bancos privados.

O economista afirmou que o governo e os meios de comunicação prejudicam a imagem dos bancos públicos dizendo que eles não são eficientes. “Na verdade, os bancos privados querem se apropriar dos bancos e fundos públicos para ampliar ainda mais sua capacidade de obter lucros”, explicou.

Para Beluzzo, é fundamental ampliar o debate com a sociedade sobre os bancos públicos, mostrar a importância e a eficiência que eles têm para a implantação de políticas sociais e a contribuição que dão para o desenvolvimento econômico e social do país. “Essa é uma argumentação que as pessoas conseguem entender. E não se trata de uma defesa corporativa, mas de uma questão central para que a economia do país consiga se recuperar. O mundo todo está vendo que não há nenhuma possibilidade de inclusão sem as empresas e os bancos públicos”, concluiu.

Fonte: Fetrafi-MG com Contraf-CUT