Os empregados da Caixa Econômica Federal realizaram, nesta quarta-feira (16), o Dia Nacional de Luta por mais respeito e valorização.

Os atos, que aconteceram em várias cidades do país, são uma resposta aos atos contraditórios da empresa, que ao mesmo tempo em que reduz despesas com o quadro funcional, financia com dinheiro público um megaevento, a ser realizado, em Brasília/DF, nesta quarta-feira (16), com a presença de mais de 6 mil gestores.

Em Belo Horizonte, o Sindicato realizou um ato público em frente à agência Tupinambás, no centro da capital mineira, para protestar contra o desmonte promovido pelo governo Temer e cobrar a valorização dos trabalhadores.

O Sindicato e outras entidades representativas protestam contra a intenção do banco de promover a estratégia de desmonte entre os próprios empregados da CAIXA.

Entre os ataques promovidos pelo governo Temer à CAIXA estão as reestruturações, ameaças ao Saúde Caixa e aos direitos dos empregados, fechamento de agências e cortes de postos de trabalho. Os trabalhadores do banco sofrem com a piora das condições de trabalho, pressões e assédio moral no dia a dia das unidades.

Para Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva de Empregados da Caixa, o Dia Nacional de Luta é contra a precarização das condições de trabalho e projetos que enfraquecem e diminuem a Caixa. “Nesta quarta-feira, 16 de maio, data em que iniciativas que significam o desmonte do banco são pano de fundo de um megaevento em Brasília (DF), bancado com dinheiro público, nós, empregados da Caixa Econômica Federal, reivindicamos por mais valorização e respeito aos nossos direitos”.