Hoje o dia foi de manifestação e protestos, em várias cidades do país, contra os cortes na educação e outras medidas defendidas pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL), como a reforma da previdência, a flexibilização do porte de armas, entre outras.

Em Belo Horizonte, 250 mil pessoas foram às ruas em defesa da educação pública e contra as perdas de direitos já adquiridos.

O ato na capital começou no fim da tarde, com concentração na praça Afonso Arinos, no centro. De lá, os manifestantes seguiram pela avenida João Pinheiro, rua dos Timbiras e Praça Sete, na avenida Afonso Pena.

O protesto se encerrou na Praça da Estação, onde houve shows de vários artistas em apoio aos manifestantes.

Assim como no primeiro ato contra os cortes da educação, em 10 de maio, esse também uniu diversas categorias, entre elas os bancários.

Os protestos dessa quinta-feira (30/05) foram também uma convocatória para a Greve Geral contra as medidas de redução de direitos do governo de Jair Bolsonaro (PSL), no dia 14 de junho.

A Greve foi convocada após as comemorações de 1º de Maio terem reunido 1,5 milhão de pessoas, em todo o Brasil, em 40 atos organizados pelas centrais sindicais e por diversos movimentos sociais.