Começou hoje o 2º Congresso Estadual da Fetrafi-MG (Unidade – Luta – Resistência). E nesse primeiro dia vários temas importantes já foram tratados.

Pela manhã, após a abertura feita pela presidenta da Fetrafi-MG, Magaly Fagundes, o deputado estadual André quintão falou sobre a Conjuntura Estadual e lembrou a eleição do ano passado, que foi típica da busca por uma terceira via. “O governo do PT enfrentou o ápice da crise fiscal mais aguda, associado ao golpe da presidenta Dilma e a perseguição ao governo de Pimentel”, disse. Quintão apontou também as similaridades entre governo Zema e Bolsonaro, que adotam políticas que querem o desmonte do Estado, a negação da política e a não construção de alianças políticas. Ele também lembrou a grave situação de Brumadinho e a necessidade de um modelo de desenvolvimento sustentável para Minas Gerais. E convocou todos a ampliar a resistência.

O Congresso prosseguiu durante a tarde. Juvândia Moreira, presidenta da Contraf/CUT, falou sobre o Modelo de Organização Sindical e a CCT de Relações Sindicais. Ela destacou a importância da unidade dos sindicatos dos bancários, lembrando que, no passado as convenções eram feitas separadamente “Essa unidade, de bancos públicos e privados, é que nos faz fortes”. E ressaltou a mudança do cenário sindical. “Nós precisamos debater qual movimento sindical vai dar conta de todas essas mudanças. A nossa categoria está diminuindo, é preciso pensar, quem vamos representar?”.

Juvândia falou também sobre a situação política e destacou as ações do presidente Bolsonaro e sua carga de preconceitos nefastos, que prejudica a todos. “O discurso dele dizia ou vocês vão se enquadrar, ou vão embora do país ou vão ser presos. Ele disse que ia atacar ativistas, sindicalistas, comunistas, por isso a reforma da previdência é emblemática, temos que ganhar essa luta”.

A noite, a presidenta da Fetrafi-MG, Magaly Fagundes, fez a abertura solene destacando a importância das lutas, os desafios e a esperança de organização. “Quando eu assumi a Fetrafi as pessoas não acreditavam que conseguiríamos o registro sindical. Não foi fácil, mas conseguimos. Acho que se conversarmos mais, dialogarmos mais, pensarmos nisso, veremos que a nossa mensagem está chegando”, disse.

A deputada estadual Beatriz Cerqueira cumprimentou todas as “lideranças que nos inspiram” e destacou a trajetória da presidenta da Fetrafi, Magaly Fagundes. “Mulher e liderança tem que por o pé na porta todo dia, enfrentar situações que vão do machismo à misoginia. Ser liderança no movimento sindical não é tarefa fácil, precisamos entender que nenhuma mulher deve sofrer nenhuma violência em nenhum local. Destaco a capacidade de articulação da Magaly e deixo o nosso mandato à disposição. Esse mandato não é meu, é de todos que estão a favor da luta”, diz.

Em seguida, Beatriz pediu que todos se dessem às mãos, destacou a importância de “Ninguém soltar a mão de ninguém”, slogan desse Congresso. “Temos que lutar contra o fascismo, que mata, prende, assassina. Vamos a luta para derrotar o ódio e semear o amor. Nós somos 43 milhões de pessoas que disseram não ao fascismo. E é essa militância que vai tirar o presidente Lula da cadeia e derrotar a reforma da previdência”, afirmou.

A noite foi encerrada pelo deputado federal Patrus Ananias. Entre outras coisas, ele falou sobre o cenário que pode estar atrás do golpe, as forças ocultas do golpe. “Há interesses mais poderosos, além de Bolsonaro e Sérgio Moro. Os Estados Unidos podem estar por trás desse golpe. Eles vêem a América Latina como um quintal e o Brasil, com suas potencialidades, vinha adotando relações de independência e tem também a questão do pré sal. Há dados de que os EUA estão perdendo a guerra da tecnologia e militar para a China e vivendo desafios, assim eles se voltam para os antigos aliados brasileiros”. E finalizou parafraseando um poema de Carlos Drummond de Andrade. “Nesse momento temos que ir de mãos dadas, sem nos afastarmos. Temos que ocupar cada espaço, resistindo sempre. O nosso grande desafio é: onde queremos chegar? Qual Brasil queremos para o futuro, para essa e para a próxima geração?”, finalizou.

Fotos: Alessandro Carvalho