Foto: Alessandro Carvalho / CUT-MG

O Dia Nacional de Luta (14/09) teve mobilizações, paralisações, assembleias, atos e manifestações em Minas Gerais.

Trabalhadoras e trabalhadores de diversas categorias, movimentos sociais, populares e estudantis participaram de diversas atividades.

Na pauta, a luta contra a aprovação da reforma da Previdência, a coleta de assinaturas para o projeto de lei de iniciativa popular pela revogação da reforma trabalhista e a Campanha em Defesa dos Serviços e Servidores Públicos, contra a Privatização e a Terceirização.

Em Belo Horizonte, o Dia Nacional de Luta foi encerrado com ato público que uniu, no final da tarde dessa quinta-feira (14), todas as categorias, a Central Única dos Trabalhadores, CTB e demais centrais na praça Afonso Arinos, no central da capital.

“Bancárias e bancários estão mobilizados em defesa dos serviços e dos servidores públicos e na coleta de assinaturas pela revogação da reforma trabalhista. Não podemos permitir que instituições como a Caixa e o Banco do Brasil sejam privatizados. Com isso, acabariam os bancos que são responsáveis pelo bolsa família, os investimentos em agricultura familiar, a habitação popular, a Lotex – que destina recursos para esportes e saúde, a gestão do FGTS, entre outros serviços. Não queremos que privatizem na nossa saúde, nossa educação, nossa energia elétricas, nossos recursos naturais. Queremos uma Eletrobras forte, uma Cemig forte, uma Petrobras forte”, afirmou Eliana Brasil, presidenta do Sindicato dos Bancários de BH e Região.

Fonte: Fetrafi-MG, com CUT-MG