Em repúdio às demissões e solidariedade às dezenas de pais e mães de famílias que perderam seus empregos em meio à pandemia, funcionárixs do Banco Mercantil Brasil realizam nesta quarta-feira (8), o Dia Nacional de Lutas contra as Demissões. A data será marcada por série de intervenções urbanas e mobilizações virtuais.

 

A campanha nas mídias sociais faz um contraponto ao slogan do banco. Através da hashtag #marcantildobrasilsemcompromissocomvocê entidades representativas dos funcionários do Mercantil realizarão uma mobilização virtual em repúdio às recentes demissões realizadas pelo banco. A manifestação online nas mídias sociais mostra a indignação do movimento sindical e dxs trabalhadorxs. Também serão usadas as variações #mercantilsemcompromissocomoemprego #mercantilsemcompromissocomotrabalhador #mercantilsemcompromissocomatrabalhadora #mercantilsemcompromissocomobrasil #mercantilsemcopromissocomocliente #mercantilsemcompromissocomavida .

 

Em meio à pandemia da covid-19, a instituição demitiu cerca de 60 de funcionárixs. Segundo o coordenador da COE do Mercantil do Brasil, Marco Aurélio Alves, o número de desligados pode ser ainda maior, já que a divulgação desses dados não é transparente. Ele explica que as demissões ocorreram com a transformação de várias agências bancárias em Postos Avançados de Atendimento. “Esses postos têm uma estrutura mais enxuta e não possuem retaguarda operacional. O banco alega que nessa nova configuração de atendimento não haveria espaço para esses profissionais. Muitos trabalhadores demitidos tiveram ascensão nas carreiras e, por conta dessa ascensão, foram dispensados, o que é uma grande contradição”, avalia.

 

Durante o encontro de funcionárixs do banco, realizado na semana passada, a economista do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) Vivian Machado apresentou um balanço que registra crescimento recorde do banco. Segundo a economista, o Mercantil do Brasil registrou lucro líquido de R$ 121,4 milhões em 2019, alta de 127,3% na comparação com o ano anterior. Os bons resultados seguem tendência de crescimento em 2020. Nos primeiros três meses deste ano o banco registou lucro líquido de R$ 46,9 milhões, com crescimento de 67,3% em doze meses e de 14% em relação ao 4º trimestre do ano passado, quando o lucro foi de R$ 41,1 milhões.

 

“As demissões não se justificam. O banco está indo muito bem. Foi muito bem no ano passado registrando um resultado que mais do que dobrou. Ao contrário da maioria dos bancos privados o Mercantil cresceu mais de 60% no primeiro trimestre deste ano”, afirma Vivian.

 

O Mercantil do Brasil encerrou o 1º trimestre de 2020 com 2.870 empregados, fechando 65 postos de trabalho no período. Criou quatro pontos de atendimento totalizando 236 unidades em março de 2020. A base de clientes também cresceu para aproximadamente, 2,4 milhões ativos. Ainda segundo Marco Aurélio, mesmo diante de índices expressivos, as negociações com o banco para tratar das demissões não evoluíram.

 

Participe da mobilização! Mostre na sua página a força da união da categoria bancária em defesa do emprego.

 

Da redação da Fetrafi-MG/CUT