Em mesa realizada nesta segunda, 23, sobre as reivindicações relativas a saúde e condições de trabalho, o Banco apresentou poucas propostas de avanço, se limitando, na
maioria das questões, a propor a manutenção das redações hoje existentes no ACT.

Como novidade, o Banco se manifestou no sentido de promover alterações quanto ao intervalo de almoço de funcionários com jornada de 6h e de 8h, incluindo opção de fazer 30 minutos em ambos os casos.

Houve cobrança dos presentes para que haja maior atenção do Banco e que se impeça a presença de correspondentes bancários no ambiente da agência, assim como ao ranqueamento e sobrecarga de trabalho para os funcionários da rede de atendimento.

Para Helberth Ávila, representante da FETRAFI/MG, “a reunião representou avanço pequeno no processo negocial, sendo necessário aprofundar o diálogo e que haja mais dinamismo por parte do BB no processo de negociação para que se possa chegar a um acordo antes de 31 de agosto”.