O Bradesco segundo maior banco privado do país, informou aos seus funcionários, nesta quinta-feira (13), através de um comunicado interno, a abertura de um Plano de Desligamento Voluntário Especial (PDVE), com vigência entre 17 de julho e 31 de agosto.
O Plano de Desligamento foi anunciado sem nenhum aviso ou negociação com o movimento sindical. Magaly Fagundes, presidenta da FetrafI-MG/CUT, está à frente desse debate em defesa dos trabalhadores e disse que “não vão aceitar pressões”. Ela participará de duas reuniões na próxima semana. Dia 19 o encontro será com a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco, em São Paulo, e dia 20 com a direção do Bradesco, em Osasco (SP).

EM NÚMEROS
O grupo Bradesco encerrou março de 2017 com 106.644 empregados, com aumento de 15.249 postos de trabalho em relação a março de 2016. Mas esse aumento se deve à incorporação do HSBC. “A verdade é que, se olharmos a quantidade de funcionários que o grupo possuía logo após a incorporação, veremos que houve uma redução de 3.278 postos, desde setembro de 2016”, observou Gheorge Vitti, coordenador da Comissão de Organização dos Empregados do Bradesco.

A mesma ponderação deve ser feita com relação ao número de agências, que expandiu em 613 unidades no período. No primeiro trimestre de 2017 foram fechadas 192 agências. O banco tinha 5.122 unidades no fim de março, incluindo as da aquisição do HSBC.

INCENTIVOS

De acordo com o Banco quem aderir ao PDVE receberá todas as verbas rescisórias, inclusive a multa do FGTS e o aviso prévio; além de um valor equivalente a 0,6 da remuneração fixa por ano de trabalho no banco (limitado a 12 salários); vale alimentação de seis meses, em parcela única; manutenção do plano de saúde e odontológica por 18 meses.

Podem aderir ao PDVE os funcionários que estejam aposentados junto ao INSS, por idade ou tempo de contribuição integral ou proporcional até 31/08, ou estejam aptos a requerer o benefício e trabalhem em uma das empresas da holding listadas no regulamento há, no mínimo, 10 anos.

QUALIDADE
O comunicado do Banco disse que o PDVE “não afetará o elevado padrão de qualidade dos serviços prestados aos seus clientes e usuários, em todas as localidades em que atua”. Isso quer dizer que, ou o banco promoverá a reposição do quadro de funcionários, ou aqueles que permanecerem no banco ficarão sobrecarregados. Ficaremos atentos a essa questão”, disse Roberto von der Osten, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).