O terceiro e último dia do 2º Congresso da FETRAFI/MG-CUT terminou com a aprovação de propostas e decisões importantes de ações em relação à estratégia, organização e luta.

A deputada estadual Beatriz Cerqueira fez uma saudação e falou sobre Conjuntura Estadual, Discriminação e Violência contra Mulher.

Mais uma vez, a deputada colocou seu mandato à disposição e explicou que a luta no Estado ajuda a arregimentar forças para a luta nacional e, portanto, há necessidade do fortalecimento da luta no parlamento mineiro. “A minha candidatura foi construída com apoio do movimento popular e sindical e temos construído agendas e ações voltadas para os trabalhadores”, disse.

Beatriz falou também sobre a violência e discriminação contra a mulher. “O lugar da politica é um lugar de violência constitucional, eu sempre fui mais cobrada e questionada do que os homens nas mesmas ações. Nós nunca estamos nos lugares pelo nosso mérito, são muitas coisas implícitas, que acontecem o tempo todo e precisam ser identificadas. Na política isso é ainda maior, porque é relação de poder”, afirmou.

A deputada finalizou dizendo que é preciso “ter resiliência, fortalecer e superar a alienação para que façamos a luta necessária, de fora para dentro”.

Assista ao vídeo:

A presidenta da Fetrafi-MG/CUT, Magaly Fagundes falou sobre a importância vital de retomar o contato com a base, promover a organização sindical e intensificar a presença na Vigília Lula Livre, em Curitiba.

Nesse domingo foi também eleita a nova Diretoria da FETRAFI/MG-CUT, para os próximos quatro anos.

Participaram do Congresso trabalhadoras e trabalhadores das bases dos oito sindicatos filiados à Fetrafi-MG/CUT: Belo Horizonte e Região, Teófilo Otoni e Região, Divinópolis e Região, Juiz de Fora e Região, Uberaba e Região, Patos de Minas e Região, Ipatinga e Região, e Cataguazes e Região.