Agências e unidades administrativas do Bradesco de todo o país amanheceram sob protestos nesta quinta-feira (16) contra demissões, cobrança de metas abusivas e a retirada das portas giratórias de segurança em diversas unidades do banco.

“De janeiro a setembro o banco demitiu mais de 3.000 funcionários e, se contarmos o período de 12 meses veremos que as demissões resultaram em uma redução de 8.100 funcionários no quadro de trabalho”, disse a coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco, Magaly Fagundes.

Apesar de o banco negar que haja reestruturação em andamento, Magaly diz que as demissões estão ligadas ao novo modelo de atendimento implementado pelo Bradesco, que está transformando agências em unidades de negócios, sem atendimento de caixa.

“Isso traz um enorme prejuízo aos clientes, uma vez que a cada dia tem menos funcionários para atendê-los. E, para quem trabalha no banco, significa sobrecarga de trabalho e aumento do assédio moral na cobrança de metas, uma vez que elas são mantidas, ou ficam ainda maiores, mesmo com a redução do pessoal. A consequência é o adoecimento físico e mental”, completou, ao lembrar que a categoria bancária está entre as que mais sofrem com as lesões por esforços repetitivos, Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (LER/Dort) e transtornos mentais.

Segurança e condições de trabalho

A coordenadora da COE/Bradesco diz que a principal reinvindicação dos trabalhadores é a preservação do emprego e a reversão das demissões, mas, também, a melhoria das condições de trabalho daqueles que permanecem no banco. “Além da sobrecarga e da cobrança de metas, os trabalhadores ficam apreensivos com a falta de segurança e o risco que correm com a retirada das portas giratórias”, ressaltou. “Tudo isso contribui para a degradação do ambiente de trabalho, com o aumento do estresse, de afastamentos para tratamento de saúde e isso gera ainda mais redução de pessoal no atendimento. Vira uma bola de neve! Por isso, o banco precisa parar de demitir e rever as demissões já realizadas”, disse.

Sindicato dos Bancário de Patos de Minas e Região

O Sindicato dos Bancário de Patos de Minas e Região (Seeb-PMR), da base da Fetrafi-MG, realizou ato em frente a uma agência do Bradesco na cidade. Para o presidente da entidade e funcionário do banco Itaú, César Roberto Rodrigues, as demissões são injustificadas. “Não há justificativa para bancos que lucraram mais de R$ 19 bilhões nos nove primeiros meses de 2021, com margem de crescimento de 50% para o Itaú e 54,9% para o Bradesco em relação ao ano anterior, e ainda assim fechar agências e demitir funcionários. Ainda mais neste momento de crise sanitária e econômica que o país atravessa”.

“Nossa luta é para preservar o emprego e pela valorização dos funcionários – somos contra o assédio moral e metas abusivas. O banco que acumula recordes de lucros, graças aos capacitados funcionários, precisa também garantir saúde física e mental”, ressaltou, Magna dos Rêis Ferreira Vinhal, dirigente do Sindicato dos Bancários de Patos e funcionária do Banco Bradesco.

Manifestações nas redes

Além das manifestações realizadas nas imediações das agências e unidades administrativas do banco, trabalhadores e suas entidades de representação sindical também se manifestaram nas redes sociais com a hashtag #QueVergonhaBradesco.

 

Com informações da Contraf-CUT