A Fetrafi-MG apoia a candidatura à reeleição de Rita Serrano como representante dos empregados no Conselho de Administração (CA) da CAIXA. A votação ocorrerá entre os dias 18 e 22 de novembro. O resultado será divulgado no dia 22 de novembro no Portal do Empregado. Caso nenhum candidato obtenha 50% mais um dos votos, haverá segundo turno, de 2 a 6 de dezembro. Podem votar todos os empregados ativos, mesmo em férias ou licença. A eleição será realizada pela rede do banco. O empregado deverá acessar eleicaoca.caixa, usando sua matrícula e senha.

 

É essencial que, no momento em que a CAIXA passa por um processo de desmonte e os empregados têm seus direitos ameaçados pelas políticas do governo federal, os trabalhadores tenham no CA uma representante comprometida com a CAIXA 100% pública e com os direitos dos empregados.

 

Pela primeira vez, o conjunto das entidades representativas dos empregados da CAIXA se uniram em torno de uma única candidatura ao CA.

 

“As entidades representativas estão juntas para ter esse mandato de caráter coletivo. Nós fizemos uma discussão na comissão, que tem um representante por federação do país, para dar apoio à candidatura que entendemos que representa nossa posição de defesa da CAIXA 100% pública”, ressalta o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), Dionísio Reis.

 

CA CAIXA

 

O Conselho de Administração é a principal instância decisória do banco. Na CAIXA, possui oito membros: o presidente do banco, seis conselheiros indicados pelo Ministério da Economia e um eleito.

 

Conquista histórica dos trabalhadores, como resultado da luta das entidades sindicais e associativas, a eleição de representante dos empregados na CAIXA tornou-se realidade a partir de 2013.

 

O papel do conselheiro eleito é representar os anseios dos trabalhadores, defender a integridade do banco e fiscalizar as ações da gestão.

 

Rita Serrano

 

Empregada da CAIXA desde 1989, Rita Serrano participa do CA desde 2014, quando ocupou o cargo de suplente, sendo eleita titular em 2017.

 

Mestre em Administração e graduada em Estudos Sociais e História, a atual conselheira tem longa trajetória no movimento sindical e social. Foi presidente do Sindicato dos Bancários do ABC entre 2006 e 2012, coordena desde 2015 o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas e atualmente faz parte do Conselho Fiscal da Fenae.

 

“Um grande marco da nossa gestão foi ter conseguido impedir que a CAIXA se tornasse S.A. (sociedade anônima) por duas vezes. A primeira por conta do Projeto de Lei 555, quando liderei, por meio do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, o processo contra a aprovação do projeto. E, em seguida, no debate da mudança estatutária da CAIXA, em 2017, pois conseguimos articular uma grande frente nacional e a iniciativa foi derrotada”, lembra a atual conselheira e candidata à reeleição.