O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do mês de maio ficou em 0,96%, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na tarde desta quarta-feira (9). Com isto, o índice acumulado para a data-base da categoria dos financiários, do período de junho de 2020 a maio 2021, ficou em 8,9%. Sendo assim, os salários e as demais cláusulas econômicas, além dos valores de PLR, previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2020/2022, serão corrigidos com esse índice.

O reajuste de 8,9% será aplicado retroativo a 1º de junho de 2021, sobre os salários e auxílios praticados em 31 de maio de 2021. “O INPC representa a inflação do país e teve, em maio, sua maior alta desde 1996. Esta movimentação reforça a importância da negociação coletiva de dois anos, conquistada frente às financeiras. Não só garantimos a manutenção de todos os direitos, como também a reposição da alta de preços de acordo com o INPC”, comemorou o coordenador da Comissão de Negociação com as financeiras, Jair Alves.

Nas negociações, financiárias e financiários de Minas Gerais são representados por Marco Aurélio Alves, diretor do Sindicato dos Bancários de BH e Região, e por Carolina Gramiscelli, diretora da Fetrafi-MG/CUT.

Carolina Gramiscelli ressaltou que a última Campanha Nacional foi dura. “Mesmo em um momento de ataques aos direitos dos trabalhadores, resistimos para defender as conquistas das financiárias e dos financiários. Asseguramos, com mobilização e longas negociações, que não houvesse perda nos salários e nos direitos”, concluiu.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT