A greve geral mobiliza diversas categorias e paralisa o país. Em dezenas de capitais, não há transporte público e serviços diversos, como de educação e saúde, funcionam em escala mínima. Na capital, as 18 estações do metrô amanheceram fechadas, assim como a do Eldorado, em Contagem.

Bancários de bancos públicos e privados participam e apoiam o movimento.

Em Belo Horizonte, manifestantes e movimentos lotam a praça Afonso Arinos, no centro, e de lá seguirão para a praça da Estação.

Os grevistas reivindicam o direito à Previdência, o fim dos cortes na educação pública, o respeito à soberania nacional e medidas efetivas para geração de empregos e nenhum direito a menos.

A lista de trabalhadores mobilizados é extensa: bancários, professores, metalúrgicos, trabalhadores da educação, estudantes e docentes de universidades federais e estaduais, trabalhadores da saúde, de água e esgoto, dos Correios, da Justiça Federal, químicos e rurais, portuários, agricultores familiares, motoristas, cobradores, caminhoneiros, eletricitários, urbanitários, vigilantes, servidores públicos estaduais e federais, petroleiros, enfermeiros, metroviários, motoristas de ônibus, previdenciários e moradores de ocupações por todo o Brasil.

– Seeb -Bh participa da greve