Nesta sexta-feira (17), segundo dia de atividades, a Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo, que acontece em Montevidéu, no Uruguai, os participantes foram divididos em grupos para debater quatro temas: Livre comércio: os ataques do capital contra a vida Democracia e soberania; Integração dos povos; e Resistências populares frente ao poder das transnacionais.

O bancário brasileiro Márcio Monzane, que é secretário-geral regional da UNI Américas, coordenou a mesa sobre as resistências frente ao poder das empresas transnacionais. “O evento faz um chamado para a unidade dos movimentos sindical e sociais para enfrentar essa onda conservadora que vivemos em nossa região. É uma declaração de luta e resistência para fazer frente ao poder econômico mundial”, declarou.

Para ele, o debate passa por como construir a luta. “Mas também, para identificar de onde vem os ataques aos direitos dos trabalhadores e como a gente pode resistir a esses ataques, à reforma trabalhista, à ascensão dos governos de direita e como retomar o projeto progressista e de inclusão social na nossa região”, completou.

A jornada se encerra neste sábado (18), com a Plenária de Convergência que definirá as lutas e ações dos movimentos sociais e sindicais pela democracia e contra o Neoliberalismo.

Fonte: Contraf-CUT