Após quase 10 anos de muita mobilização dos trabalhadores bancários, finalmente o Santander aceitou realizar eleições democráticas e transparentes para o conselho do SantanderPrevi. O fundo de pensão dos funcionários oriundos do Banco Real sempre foi gerido pelo banco e, recentemente, apresentou rombo milionário que gerou perdas consideráveis aos participantes.

Os bancários elegerão seus representantes entre 28 de julho e 3 de agosto. O Sindicato apoia e indica o voto em Patrícia Bassanin Delgado para o conselho Fiscal e Orlando Puccetti Junior para o conselho Deliberativo (veja propostas abaixo).

Patrícia ingressou na carreira bancária em 1991, no banco América do Sul, adquirido pelo Sudameris, comprado pelo Banco Real, que foi englobado pelo Santander. Ela ocupou os cargos de escriturária e assistente comercial. Entrou no meio sindical em 1996, atuando por duas gestões como conselheira fiscal do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região. É atualmente diretora de patrimônio da entidade.

Já Orlando Puccetti Junior é formado em Administração de Empresas e tem 46 anos de experiência como bancário. Ingressou no Banco Sudameris. Exerceu diversos cargos de gerência tanto em agências como em departamentos da Direção Central. Foi dirigente do Sindicato dos Bancários do ABC e hoje está aposentado.

Confira o material informativo completo dos candidatos apoiados pelo Sindicato:

E por que votar nestes nomes? O Santander inscreveu dois candidatos que ocupam o alto escalão do banco para concorrer. “Se houver um eventual conflito de interesses entre o Santander e os trabalhadores, quem esses indicados irão defender? Claro que os do banco”, explica Camilo Fernandes, presidente da Afubesp (Associação dos Funcionários do Grupo Santander Banespa, Banesprev e Cabesp).

Nas gestões anteriores, todos os conselheiros que deveriam representar os interesses dos trabalhadores foram indicados pelo banco, o que inclusive causou a judicialização por ausência de processos eleitorais.

Recentemente, representantes dos participantes denunciaram o SantanderPrevi à Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) por prejuízo estimado em R$ 36 milhões imposto aos participantes da carteira Moderado sem ações, decorrente de compra e venda de títulos decidida por administradores indicados pelo banco. Por isso, eles foram autuados pela Previc com multa individual de R$ 53 mil.

Trabalhadores da ativa sofreram com a diminuição de suas reservas em até 20%. Por conta do rombo causado, as aposentadorias sofreram severa deflação.

No ano passado, o Ministério Público instaurou inquérito para investigar irregularidades no fundo de pensão. Na decisão, o MPF menciona falhas de dirigentes em relação à governança, exercida sem transparência e má gestão dos recursos dos participantes e assistidos.

“O dinheiro do fundo pertence aos trabalhadores e deve ser gerido por eles”, enfatiza Camilo. “Por isso é muito importante eleger conselheiros que tenham comprometimento com os funcionários e que os representem de fato”, alerta o presidente da Afubesp.

A votação será feita diretamente pelo site www.santanderprevi.com.br. O voto não poderá ser identificado. Os funcionários ativos que participam do plano também podem acessar diretamente a área restrita do site via link disponível no Portal RH do empregador, na página da SantanderPrevi.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Bh e Região